domingo, 16 de setembro de 2012

Meu poema e eu

Meu poema não acredita
Nas dores que sinto agora
E não são meras feridas
Ou desejo de ir embora!
Meu poema muito sofre
Pelas dores que tenho em mim
Mas, não confessa que morre
Por ver o meu fim!
E eu sigo o destino
Acreditando no irmão,
Fugindo de Bagdá
Só que sou menino
Vendo com o coração
O que quem viver verá!

Nenhum comentário:

Andarilho