Páginas

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A mulher alheia III

Sinto a brisa no rosto
Golpeando meu coração,
Nesta luta contra o desgosto
Em busca de paz neste chão!
Dói o corpo na cama,
Em busca de uma esperança.
O coração na alma inflama,
Um desejo que não alcança!
Ouço crianças nas ruas,
Vejo o sereno no jardim
E sinto o cheiro da maré cheia
Na qual reflete o brilho da lua.
E percebo, claro, o meu fim
Nos braços da mulher alheia!

Nenhum comentário: