quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A mulher alheia II

No momento que angustia,
Numa situação de dor
Que se procura alegria,
Buscando um outro amor!
É no instante que dói a carne na alma,
Enquanto se toma uma cerveja,
Que meus olhos nas ruas calmas
Buscam pelos da mulher alheia!
Sei que ela está lá
E sei que foge de mim,
Ou mesmo foge de si,
Por perceber o fim
E não me deixa nem falar
Que só quero vê-la feliz!

Nenhum comentário:

De Victor Hugo a Frejat

Soneto I Eu lhe desejo de todo coração que você seja muito, muito feliz, que seja o dono de sua emoção e no amor...