sexta-feira, 22 de junho de 2012

Tudo por nada.

Meu corpo se lançou no espaço
Contra a fúria do sentimento
E ao me ver contra o vento,
Me perdi no próprio passo!


Lágrimas derramadas por mim
Perderam-se por sobre a terra
E a chegada da primavera
Constatou meu próprio fim!


Eu vi tudo acontecendo
E nada pude fazer
Para tanta lágrima rolar.


Na verdade, gostei de estar morrendo,
Ainda bem que você 
Nunca aprendeu a chorar!

Nenhum comentário:

Se reinventa