Páginas

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Rio Prata

Em um lugar distante
No tempo e no espaço,
Onde nada é constante,
Nem a força de um abraço!
É onde corre o rio Prata
Com seu leito de morte,
E sua presença é exata;
Sobrevive só quem é forte!
As águas cristalinas
Transcendem o meu ser,
Purificando minha sina.
Dando forças contra o sofrer
Para que minha alma tão ferida
Possa feliz permanecer!

Nenhum comentário: