Páginas

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Poema globalizado

O meu poema, quem diria,
Quer ir à Andaluzia,
Fazer versos em Roma,
Salvar amores em coma.
Correr leve por Paris,
Gritar ao mundo que é feliz,
Voar por todo o Egito,
Ser livre no próprio grito.
Fazer amor ou colher uma flor
Em plena El Salvador,
Com lembranças de Madagascar
Para no fim de todos os dias
Sonhar com o que faria,
Caso estivesse em Shangri-lá!

Nenhum comentário: