sexta-feira, 29 de junho de 2012

Nem você, nem ninguém.


Por acaso, você ouviu
O grito de amor
Que do meu peito emergiu
Liberando consigo a dor?


Por acaso, você chora
Quando estou descontente
Porque vai embora
O que me alegra simplesmente?


Por acaso, você vê
Que eu não me sinto bem
Quando tenho que dizer


Que muito mais além
Há algo que me faz sofrer?
Não! Nem você nem ninguém!

Nenhum comentário:

De Victor Hugo a Frejat

Soneto I Eu lhe desejo de todo coração que você seja muito, muito feliz, que seja o dono de sua emoção e no amor...