sexta-feira, 29 de junho de 2012

Nada.


De tudo que fomos,
As sobras são poucas
E agora o que somos
São alucinações loucas!


Antes éramos dois
A sentir a beleza da vida,
E agora e depois
Somos e seremos mágoas e feridas!


Sem carinho para ofertar
No decorrer da jornada,
Ficamos a olhar...


A emoção malograda
Aos poucos se afundar
No eterno vazio do nada!

Nenhum comentário:

De Victor Hugo a Frejat

Soneto I Eu lhe desejo de todo coração que você seja muito, muito feliz, que seja o dono de sua emoção e no amor...