domingo, 24 de junho de 2012

Caso sem fim

Não esqueci seu olhar,
Seu rosto, nem sua voz,
Mesmo estando eu a passar
Por uma tarde tão veloz!
Não esqueci seu corpo,
Seu dorso, seu sabor,
Muito menos seu rosto
E o seu intenso calor!
Quero lhe ter outra vez
Fazendo parte de mim
Neste delírio louco e real,
Onde o sonho ideal,
Um desvario de lucidez,
Seja nosso caso sem fim!

Nenhum comentário:

Se reinventa